quinta-feira, 10 de setembro de 2009

MATA SECA NÃO É MATA ATLÂNTICA


O Decreto Federal nº 6660/2008, que regulamentou a Lei Federal nº 11.428/2009 de proteção da Mata Atlântica, incluiu a vegetação de Mata Seca da Bacia do São Francisco no Bioma Mata Atlântica, aplicando àquele ecossistema todas as restrições ambientais da Mata Atlântica. O problema é que essa medida causa gravíssimo ônus sócio-ambiental ao Norte de Minas, uma vez que 52% de seu território é de cobertura florestal e está impedido de exploração econômica. O Norte de Minas e sua população foram condenados definitivamente ao subdesenvolvimento. Além disso, o decreto federal é tecnicamente injustificado, uma vez que em seu art. 1º, a Lei 11.428/2006 se denomina como a lei de proteção do Bioma Mata Atlântica. No mapa oficial de Biomas do IBGE, a Bacia do São Francisco pertence aos biomas Cerrado e Caatinga.

35 comentários:

  1. Pela foto da Mata Seca postada, se vê claramente o desconhecimento deste bioma por parte dos autores deste blog. Por que os autores não colocaram uma foto da Mata Seca na época chuvosa? Aí a comparação com a Mata Atlântica seria justa.
    Tem muito lugar em MG para pasto e plantação sem ser a Mata Seca. Ou será que os interessados não estão mais preocupados em se beneficiar das verbas da Sudene para enriquecerem?

    ResponderExcluir
  2. concordo com o comentario acima, pegar fotografias de epocas do ano diferentes nao é justificativa de serem biomas diferentes. acho que os ruralistas tem muito pouco conhecimento para sairem falando isso. mas em pais como o brasil onde impera a lei dos mais fortes, é bem provavel que eles consigam derubar a lei, visto que grandes fazendeiros tem muita influencia politica. Mas isso so nos deixa claro a preoculpação dessa parcela da população pelo nosso pais, olhando so para o seu proprio umbigo!!!!

    ResponderExcluir
  3. Concordo com todos dois comentários acima postados e aproveito para ressaltar que é exatamente devido a essa contrastante característica das Matas Secas na estações seca e chuvosa que faz dela um ambiente EXTREMAMENTE necessitado de estudos e de conservação!!!!

    ResponderExcluir
  4. Não concordo com nenhum dos comentários acima. Vocês tem noção do que é ser um produtor rural que tem como única e exclusiva fonte de renda o plantio? Aí vem alguém e decide que trabalhar para ter o pão de cada dia deve ser restrito...
    Sinceramente, acredito que muitos que dizem que olhamos para o nosso próprio umbigo é que não tem a menor idéia, do que realmente é o trabalho no campo. Passem um ano inteiro na região e percebam o quão árido é o nosso clima.

    ResponderExcluir
  5. As fotos postadas mostram principalmente o que diferencia as duas vegetações, a mata atlântica nunca foi nem nunca será estacional decidual, as espécies nativas que ocorrem nas duas matas são totalmente diferentes. A mata seca passa mais de seis meses do ano sem folha alguma.
    Ao contrario do que muitos pensam o norte de minas detem a maior área de mata preservada de todo o estado, a preservação dastas matas estão garantidas pelos parques estaduais, pelas reservas particulares constantes da maioria das propriedades rurais da região e também pelas APP's. O produtor rural é na sua essência um ambientalista pois um percentual significativo do seu patrimônio, adiquirido com o suor de seu rosto está a serviço da humanidade sem que ao menos ele seja reconhecido ou recompensado por isso. É muito bonita e necessária a causa ambientalista todos nós apoiamos pois fazemos parte dela. Quem é o ambientalista que não veste roupa de algodão, que não come carne de boi, de suino, de frango ou peixe, que não come arroz, feijão, ovos, óleo vegetal, frutas, verduras e legumes quem não abastece seu veículo flex com álcool? Isso tudo vem do trabalho do produtor rural! Porque então afrontar de forma tão radical aquele que produz o combustível do ser humano? O produtor rural nunca se negou a cumprir as leis do estado ou do país, ele sempre foi um legalista. Hoje ele coloca mais de 30% do seu patrimônio a serviço da humanidade sem receber nada em troca. O que está em questão no momento é o confisco de 100% do seu patrimônio de forma generalizada. Isso nós todos temos que adimitir: É inadimissível. Você estaria disposto a abrir mão de tudo que você e sua familia contruiram em favor de alguma causa sem receber nada em troca por isso?

    ResponderExcluir
  6. Deve-se discutir a quem interessa aumentar o desmatamento na região. Em tempos de discussão mundial sobre a necessidade de consorciar crescimento econômico com conservação ambiental, é interessante pensar que a Mata Seca como Mata Atlântica pode ser uma oportunidade para a ampliação das práticas de uso sustentável dos recursos naturais na região, pagamento por serviços ambientais, unidades/reservas de uso sustentável, oportunidade de revitalização do rio São Francisco, etc.. Não se pode esquecer que a Mata Atlântica, assim, como a Floresta Amazônica são áreas prioritárias para a sustentabilidade ambiental.

    ResponderExcluir
  7. Concordo plenamente com o comentário acima, o qual demonstrou grande sensatez.
    Em resposta a introdução do blog, as matas secas estão associadas aos biomas Cerrado e Caatinga (e outras formações do norte ao sul do Brasil) assim como outras formações vegetais do complexo atlântico.
    O norte de minas será "condenado definitivamente ao subdesenvolvimento" se estas causas forem atendidas, uma vez que o desmate das matas secas para atividades agrárias e pecuáricas só trarão lucros para uma minoria privilegiada.
    Desta forma, as justificativas deste blog são incorretas e sem embasamento científico; destacando a total ignorância do autor deste blog sobre o assunto.
    Busque recentes trabalhos de distribuição dessas formações e não interprete errado os dados do IBGE!!!

    ResponderExcluir
  8. Os comentários acima são próprios de quem vê o problema de um ângulo limitado. Porque estes não compram terras com mata seca, mata atlântica ou cerrado e a colocam a disposição do meio ambiente? E para ficar ainda melhor seria muito justo que contratassem um vigia para evitar depredações de invasores e ainda dar um emprego, coisa rara na nossa região. Áreas irrigadas no norte de minas criam até um emprego direto por hectare. Vocês sabiam que o norte de minas é a região de menor IDH do estado?(indice de desenvolvimento humano)Isto quer dizer que no norte de minas tem uma grande população às margens de tudo, não tem emprego, não tem dinheiro para viver e criar a sua familia dignamente, veem durante todos os dias seus filhos passando fome. Isso é injusto demais!!! Quem tem fome tem pressa!! Onde estas pessoas, autênticos sertanejos como nós que foram esquecidos pela sociedade acharão um emprego digno senão na sua própria região? Não podemos pensar em meio ambiente sem pensar no ambiente inteiro.

    ResponderExcluir
  9. Realmente Mata Atlântica e Mata Seca são ecossistemas diferentes, únicos no mundo. Um estudo de similaridade com 179 fragmentos de Cerrado, Mata Atlântica e Mata Seca mostrou que as espécies da Mata Seca são endêmicas, únicas. Se acabar, não tem mais! Fazendo uma analogia: quem quer derrubar a Mata Seca é o mesmo que um caçador dando um tiro em uma arara-azul, ou em um mico-leão-dourado.
    Quem quer derrubar a Mata Seca precisa estudar um pouquinho mais... Como alguém (grandes produtores latifundiários que escravizam os trabalhadores rurais) quer plantar em um lugar que quase não chove? Vão tirar água de onde? Do Velho Chico? Vão sangrar ainda mais o Velho Chico? O Velho Chico já está agonizando, e ele dá vida pra que mora nele e sabe respeitá-lo.
    Vcs conhecem o Mar de Aral? Se não conhecem tb não vão conhecer, ele não existe mais! Grandes produtores de algodão fizeram a mesma coisa no semi-árido da Ásia, secaram o Mar de Aral.
    Além de acabarem com a Mata Seca, querem secar também o Velho Chico?

    ResponderExcluir
  10. O anonimo que postou comentário no dia 24/09 as 21:04hs iniciou até muito bem o seu posicinamento mas rapidamente se perdeu em uma retórica demagógica, antiquada e vazia, aparentemente é um orfão de alguma ideologia falida. Com certeza é mais um adepto do famoso CTRL-C, CTRL-V.

    ResponderExcluir
  11. concordo com o comentário acima e acrescento mais:
    esse comentarista ( do dia 24/09 as 21:04) não é um dependente de terra como diz. Até parece que vc é um "sertanejo esquecido pela sociedade". Aff...
    Quase chorei com seu discurso hipócrita.

    ResponderExcluir
  12. Eu acredito q o ponto principal de toda essa confusão está na resposta para a seguinte pergunta: A quem vai beneficiar essa mudança de lei? Será o povo do norte de Minas? Ou serão mais um punhado de grandes latifundiarios gananciosos por mais dinheiro? Eu acredito fielmente que desmatar nunca foi a solução para nada! Para aqueles que se dizem bons moços, que irão desmatar para ajudar as pessoas do norte de Minas, eu tenho um palavra: Hipocresia!!! Se vocês querem mesmo ajudar o norte de Minas, parem de pensar nos seus próprios bolsos e comecem a pensar em como mudar a realidade do nosso sertão! Se tornem políticos, façam parte de uma organização qualquer que os ajude de verdade.... agora, usar da terra onde eles vivem para ganhar seu dinheiro e ainda dizer que estão ajudando? Ninguém aqui é bobo para acreditar nisso, vocês não acham?

    ResponderExcluir
  13. A recente iniciativa de deputados e agro-negocista do Norte de Minas,
    ressurgindo o espantalho ou a realidade da direita profunda deste país,
    através da intolerância ambiental e das chantagens políticas, vai encontrar
    nesse artigo que ora indico uma contextualização para uma discussão
    ponderada, levando em conta aspectos técnicos e científicos. Há como pano de
    fundo uma contradição que sempre existiu historicamente. O setor agrícola da
    economia sempre disputou no âmbito do Estado a prioridade por espaços e
    políticas. Na Europa foi assim, a revolução de 30 nasceu dessa questão, e
    hoje não é diferente. As disputas na Agencia Peixe Vivo quanto à cobrança e
    o custo da água lembram esta tradição. Imagino que o setor agrário esteja
    querendo uma URC Agrária para liberar as coisas para eles sem muita
    conversa. Estão partindo para a chantagem frente ao governador, ameaçando
    trazer José MotoSerra a Montes Claros tendo em vista a fragilidade do
    governador na época de acertos eleitorais para 2010. Este é o preço que se
    paga quando o Estado dilui seus compromissos de Estado para se transformar
    todo ele num compromisso de Governo. Estão colocando como alvo da fúria da
    terra arrazada lideranças do governo comprometidas com a sustentabilidade e
    que se esforçam para estabelecer uma relação institucional equilibrada e
    compartilhada entre os três segmentos. Vão partir para martirizar
    ambientalistas como no passado fizeram com as lideranças dos movimentos
    sociais. Chico Mendes não foi o primeiro nem será o último.



    Queria aqui fazer um registro em paralelo. As lutas pelo meio ambiente
    surgiram entre cientistas, pesquisadores da Universidade e movimentos da
    sociedade civil. Que não esqueçamos isto jamais, esta autoria, este mérito.
    Sempore que podem os empresários e os agro-negocistas procuram nos
    desqualificar. Que este registro histórico seja sublinhado para toda a
    sociedade.Mas temos a contabilizar um número crescente de empresários
    industriais, agrícolas e lideranças governamentais assumindo a
    responsabilidade por uma economia ajuizada e comprometida com a
    sustentabilidade. Boa leitura.



    Apolo Heringer Lisboa

    vejam
    http://www.remaatlantico.org/Members/suassuna/noticias/limites-da-terra

    ResponderExcluir
  14. Seus Ignorantes! A ignorância não é ofencisa, significa que alguém desconhece alguma coisa. Assim, sugiro que aqueles que querem falar de bioma estudem! pois verão que esta é uma discussão desnecessária, pois o que importa e a manutenção dos serviços do ecossistema. Estes serão completamente comprometidos, sem atitudes racionais. Para aqueles que acham que Mata Seca não tem importância, descubram o quanto é raro este ecossitema e tentem ver como será sem ele? ah! mais uma coisa! tentem descobrir o quanto este ecossistema foi estudado até os dias atuais. Depois voltem a discutir!

    ResponderExcluir
  15. O GOVERNO DE MINAS ESTÁ FAZENDO ECOLOGIA AS CUSTAS DOS FAZENDEIROS. SE AECIO QUIZER PRESERVAR AS MATAS SECAS ENTÃO QUE ELE PAGUE POR ESSAS RESERVAS. QUE CRIE PARQUES NA SERRA GERAL, NOS TOPOS DE MORRO, EM ÁREAS ONDE ESTÃO LOCALIZADAS AS NASCENTES DOS RIOS.
    O GOVERNO DE MINAS ESTÁ VENDENDO CRÉDITO DE CARBONO PARA O EXTERIOR AS CUSTAS DOS PRODUTORES RURAIS DO NORTE DE MINAS, QUE INFELIZMENTE AINDA NÃO SE ORGANIZARAM PARA TIRÁ-LO DO PODER.ISTO É UMA FALTA DE RESPEITO COM OS NORTE MINEIROS. SE QUEREM PRESRVAR, PAGUE, PAGUE PAGUE. E DEPOIS COBRE.
    FAÇAM UMA LEI IGUAL PRA TODOS, E NÃO SÓ PARA A REGIÃO MAIS CARENTE DO ESTADO.
    PROMOVAM UMA LEI QUE EXIJA RESERVA LEGAL EM TODOS OS LOTES, LOTEAMENTOS URBANOS, RESIDENCIAS DO PAÍS, AI SIM. TODOS ESTARIAM FELIZES.

    ResponderExcluir
  16. VAMOS NOS UNIR PRA TIRAR ESSE GOVERNADOR, QUE GOVERNA PARA A EUROPA E ESTADOS UNIDOS. AÉCIO ESTÁ VENDENDO CRÉDITOS DE CARBONO PARA OS ESTRANGEIROS, E APLICANDO EM OBRAS NO ESTADO. ISSO É UMA CACHORRADA. VAMOS UNIR FORÇAS E DERRUBÁ-LO A TEMPO. ISSO NAO PODE CONTINUAR. SE QUEREM PRESERVAR QUE PAGUEM PELAS TERRAS, PELAS RESERVAS PELOS PREJUÍZOS QUE NÓS ESTAMOS TENDO, POR NÃO PODERMOS PRODUZIR.
    VAMOS TODOS JUNTOS, NO PALÁCIO DO GOVERNADOR, VAMOS LUTAR PELOS NOSSOS DIREITOS, ESSA LEI É INCOSTITUCIONAL. NOS TEMOS O TITULO DA TERRA E NELAS TIRAMOS O SUSTENTO DE NOSSOS FILHOS. VAMOS JUNTOS ACABAR COM ESSA CORRUPÇÃO.
    VAMOS UNIR FORÇAS.

    ResponderExcluir
  17. G. Wilson Fernandes7 de outubro de 2009 14:26

    No meu entender, há razões em todos os discursos ou lados do debate. Há ignorantes em todos os lados, há aqueles mentirosos que se auto-enganam e até os burros, ou seja, aqueles que sabem e continuam errando. Sinto muito!
    Pois bem, minha intenção não é a de ensinar a ninguém e sim de contribuir para que possamos resolver da melhor maneira possível este dilema.
    A mata seca não compreende um bioma nela mesma e está inserida dentro da Caatinga, Cerrado, Mata Atlântica e até no Pantanal! Ela é derivada e influenciada por características bióticas e abióticas que a tornam distinta. Não vamos resolver a questão ecológica-evolutiva sem trabalho por quem entende, os cientistas. Que me perdoem os que acham. Achar não é o caso. Quanto ao IBGE, precisa-se que este órgão evolua face aos novos conhecimentos. Pena um órgão desta importância estar estagnado face aos avanços da ciência.
    O que vamos fazer com os ricos pecuaristas e ruralistas, com o pobre pescador, lavrador do norte de Minas Gerais, com os ecologistas (ambientalistas) e ecólogos (cientistas que estudam ecologia) depende da nossa capacidade de evoluir, ou seja a de sentar como gente grande e debater a questão sob um ângulo social, ambiental e econômico. Apenas assim chegaremos a algum lugar. Na porrada não vai dar, pois sabemos das leis da física!

    ResponderExcluir
  18. Se a possibilidade de desmatar de fato fosse sinônimo de desenvolvimento o Nordeste seria a região mais rica do país, visto que foi a primiera a área a sofrer os impactos da colonização. O discurso da pobreza no norte de Minas sempre foi usado pela elite local para continuar mamando nas tetas governamentais. Há outras vias para o desenvolvimento que não a agricultura e pecuária em larga escala. O que de fato gera emprego é a agricultura familiar.

    ResponderExcluir
  19. Discordo de você Emmanuel, agricultura familiar não sustenta nem mesmo a própria familia trabalhadora, que dirá o país, voce está fazendo um discurso demagogico. Se voce acha que o desenvolvimento está na paralização da produção no norte de minas, então que indenize todos proprietários de terra do norte de minas, ou será que eles é que tem que ficar no prejuizo de terem suas terras como reserva ecológica?
    O norte de minas é o maior polo produtivo de banana e pecuária do estado, e voce ainda me diz que mamamos nas tetas do governo? Voce não sabe o que fala. Totalmente desorientado

    ResponderExcluir
  20. Prezado Anônimo,

    Onde estão os seus colhões? Por que não diz o seu nome? Tenho de discordar 100% de você, pois vejo que a sua visão está bastante distorcida. Bom, talvez você seja um produtor de bananas, mas saiba que o mundo não é feito de bananas - e muitas vezes é muito mais complexo do que você pensa. Infelizmente o desenvolvimento colocado por você não é visível no Norte de Minas. A produção pecuária, por exemplo, é extremamente ultrapassada, com índices baixíssimos de produtividade. Para as suas bananas eu não sei, mas lembre-se: elas não são tudo.
    Quem tem um mínimo de inteligência hoje, sabe que a produção familiar é mais produtiva, mais eficiente e mais apta a contribuir para um maior desenvolvimento regional do que grandes latifúndios e/ou monoculturas. Pesquisadores conhecidos no mundo todo, como o Dr. Peter Rosset ou o Dr. John Vandermeer, autores de livros e artigos publicados no mundo todo, nos dizem isso. Não podemos duvidar disso. Pelo visto, os produtores de banana do Norte de Minas duvidam - e talvez por isso a região tenha alcançado tamanho grau de desenvolvimento.
    O próprio Incra divulgou recentemente dados que confirmam que no Brasil, estabelecimentos de agricultura familiar representam 84,4% do total, (5.175.489 estabelecimentos) mas ocupam apenas 24,3% (ou 80,25 milhões de hectares) da área dos estabelecimentos agropecuários brasileiros. Mesmo assim, apesar de ocupar apenas um quarto da área, a agricultura familiar responde por 38% do valor da produção (ou R$ 54,4 bilhões) desse total. São eles que suprem as nossas mesas de artigos básicos da cesta básica.

    Veja na íntegra: http://www.incra.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=13181:censo-confirma-agricultura-familiar-produz-mais-em-menor-area&catid=1:ultimas&Itemid=278

    Anônimo, você que se esconde atrás de sua condição herdada na região mais atrasada do estado, ainda há tempo para aprender a pensar e não apenas repetir o que ouviu, comendo bananas. Abra os olhos para o mundo e você verá que não só de bananas vivem os brasileiros.

    Newton Pimentel de Ulhôa Barbosa

    ResponderExcluir
  21. Senhores,

    Gostaria de participar da discussão sobre a inclusão da Mata Seca no Bioma "Floresta Atlântica levantando os seguintes pontos: 1)A inclusão PROCEDE!! Para confirmar, basta fazer alguns levantamentos comparativos da vegetação dessas áreas e ver que espécies raras da Mata Atlântica podem ser encontradas nas Matas secas. Só para citar um exemplo, espécies raras de herbáceas da família Moraceae, que só existem nos sub-bosques da Floresta Atlântica, podem ser encontradas nas matas secas do norte de Minas!!!

    2)Quanto à questão da exploração econômica, cabe lembrar que muitos produtores rurais (em todo o Brasil)não respeitam nem as matas ciliares que, apesar de protegidas por lei, sofrem cortes e invasão de gado !!! A destruição é, muitas vezes disfarçada e não há nenhum tipo de punição (apesar de ser, a médio e longo prazo, um "tiro no pé"). Isso sugere que apesar de reclamar, muitos produtores vão mesmo é desmatar...(Nem sempre ele é legalista como muitos afirmam...). Só para reforçar, espero que no caso de destruição ilegal das matas secas, haja punição!
    3)ENTRETANTO, vale lembrar que MUITOS PRODUTORES (grandes ou pequenos) SÃO REALMENTE INTELIGENTES e desenvolvem técnicas para o USO SUSTENTÁVEL! Isso é VIÁVEL, POSSÍVEL e pode ser lucrativo (sem nenhuma demagogia...).
    4)Para finalizar eu convidaria os senhores produtores para que "comprassem" esse desafio: USO SUSTENTÁVEL e PRESERVAÇÃO. Porque não tentar?Vocês poderão ficar surpreendidos...

    ResponderExcluir
  22. Senhores,
    O que se discute no momento não é a eliminação da Mata Seca em detrimento de produção agrícola, pecuária, geração de emprego e renda etc. O Norte de Minas tem 54% de cobertura vegetal original, (outras regiões do estado não tem nem um dígito de cobertura vegetal). Em 2008 o governador Aécio Neves, através de negociação ampla com entidades do Norte de Minas, assinou uma lei, aumentando de 20% para 30% a obrigação da reserva legal da região, ou seja as propriedades rurais deverão ter mais de 30% de área preservada em se considerando as APP's. O que a legislação em vigor fez foi sequestrar áreas nas propriedades impedindo o produtor de trabalhar pois ele não pode mais roçar as suas pastagens correndo o risco de ser processado como um bandido, isso não é razoável. O produtor não se nega aos 30% de reserva legal, pois ele e seus representates participaram das discussões da criação da nova lei da mata seca. A esmagadora maioria das propriedades particulares do NM não são fruto de grilagem ou coisa parecida,são terras adquiridas legalmente para a exploração agropecuária e seus proprietários sempre pagaram todos os seus impostos. O impedimento da realização de trabalho nestas áreas não é razoável e nem aceitável. Nós produtores rurais reconhecemos com clareza absoluta a necessidade da preservação ambiental só não podemos permitir o sequestro de todo o nosso patrimônio para o meio ambiente, temos que buscar um melhor equilíbrio nesta contenda. Em algumas publicações e comentários vemos declarações exaltadas onde os produtores rurais são chamados de exploradores, devastadores, aproveitadores dos financiamentos baratos etc. isso é ridículo e fruto de uma visão caolha e totalmente desvirtuada da realidade só não vê que se inspira em informações tendenciosas e jargões ultrapassados. A agropecuária regional é das mais modernas do mundo, aqui se produz carne com um dos melhores índices do país. E o que também é muito importante: aqui produzimos o "boi verde" ou seja boi + capim + sal. Esta carne é hoje altamente demandada por consumidores que querem consumir um produto natural sem antibióticos ou aditivos; a agricultura irrigada desenvolvida na região é das mais modernas do planeta - isso pôde ser visto e comprovado no último congresso de irrigação que ocorreu este ano em M. claros na UFMG. As frutas, verduras e legumes produzidas na região semi-árida são também as mais saudáveis, pois dispensam, quase que na totalidade, o uso de agrotóxicos tão nocivos a saúde e ao meio ambiente. Estão presentes na região as maiores produtoras de sementes do país buscando exatamente estes aspectos de sanidade. tudo isso para garantir segurança alimentar ao consumidor. O produtor rural norte mineiro é o verdadeiro e maior dos ambientalistas, pois é da terra em que nasceu, da terra onde pisa é que tira o seu sustento e o de sua familia e ainda reserva mais de 30% (agora querem mais de 100% pois estão tentando levar também a sua dignidade) de seu patrimônio em favor da humanidade sem receber absolutamente nada em troca.

    ResponderExcluir
  23. Senhores, o argumento acima revive a lógica torta de que o desenvolvimento só é possível com desmatamento. As matas secas do norte de Minas Gerais já perderam 52% de sua área original, de acordo com os dados do Inventário Florestal do IEF, edição de 2004. Os produtores rurais tentam convencer a sociedade de que os 48% remanescentes, extremamente fragmentados, representam muita coisa, pois outras áreas como o Triângulo Mineiro já perderam quase toda sua cobertura vegetal. Na verdade, mais da metade de uma formação vegetal única e cheia de espécies endêmicas já foi completamente destruída. A Lei Estadual 17353, que estabelece as reservas legais em 30%, é extremamente permissiva e poderia promover a devastação das matas secas remanescentes no norte de MG.

    A pergunta fundamental é: é necessário desmatar mais área para que o norte de Minas Gerais se desenvolva? Certamente que não. O argumento de que 100% da área de um produtor rural está sendo sequestrada é totalmente irreal. Vivo no norte de MG há tempo suficiente para ver que pouquíssimas propriedades têm uma área expressiva de cobertura de mata seca. É provável que nenhum proprietário tenha uma fazenda com sequer 50% de cobertura de mata seca em estágio secundário médio/avançado ou primário.

    Os dados preliminares do censo agropecuário do IBGE (2006) mostram que, na mesoregião do Norte de Minas, o rebanho bovino aumentou 83% de 1996 a 2006, enquanto a área de pastagem diminuiu 17% no mesmo período. Isso significa que é possível aumentar a atividade pecuária (que não tem NADA de sustentável, é bom frisar) sem ter que desmatar novas áreas.

    O discurso ruralista de desmatar para acabar com a pobreza do norte de MG soa claramente falso. A maioria dos produtores do Jaíba, por exemplo, são grandes empresários de outras regiões do país. Eles não tiram seu sustento dali, mas acumulam capital e não favorecem a distribuição local de renda. O pequeno produtor da região vai continuar pobre mesmo com a destruição da mata seca.

    Esse assunto deve ser amplamente debatido com a sociedade, o que não aconteceu nem vem acontecendo. O que vemos é uma pressão desenfreada sobre o governo por parte dos produtores rurais, em um discurso demagógico e sem sustentação científica.

    ResponderExcluir
  24. Pelo seu discurso vê-se claramente que não conhece nada ou muito pouco do Norte de Minas, não conhece sua origem, seu povo, sua economia. Não conhece mesmo!!

    O que vocês ecoxiitas querem? Querem retornar aos anos de 1500? Leia atentamente as leis e não as coloque ou interprete apenas sob a sua ótica, ela foi feita por muitos e para todos!

    Quando afirma que não ha no Norte de Minas uma única propriedade com sequer 50% de mata seca em estágio secundário médio/avançado ou primário você desafia duas ciências muito importantes: A matemática e a lógica. Sem comentários!

    Sobre a pecuária acertou apenas 50% pois o Norte de Minas é altamente eficiente na pecuária de leite e pecuária de corte daí o aumento do rebanho em detrimento do aumento de pastagens, mas afirmar que a pecuária não tem NADA de sustentável?! Talvez você faça parte de uma nova estirpe da raça humana que não precisa de proteina animal e que sonha um dia fazer fotossíntese.

    Sobre o projeto jaíba você erra feio! a maioria daqueles que ocupam aquelas áreas são micro e pequenos produtores rurais que se somados são maioria absoluta em população e área explorada inclusive foram considerados como produtores da agricultura familiar no último senso agropecuário.

    Todos sabemos dos impactos que os seres humanos causam ao meio ambiente não podemos dar mais importancia a um em detrimento do outro, são igualmente importantes. O grande desafio é buscar o verdadeiro equilíbrio sem radicalismos. Quem não concordar com isso resta-lhe apenas o harakiri.

    ResponderExcluir
  25. Alguns comentários acima são dignos de pessoas que vivem às custas do governo, funcionários públicos que não trabalham, e esperam todo mes o salário cair na conta para poder fazer a feira do mes.
    Meu grande sonho de verdade, é que todos os produtores do norte de minas, fizessem uma greve geral, uma paralização geral no fornecimento de alimentos, seja boi, banana, frutas etc., por pelo menos um ano. Para esses políticos, ecologistas de fim de semana, possam chegar em um açougue e pagar 200 R$ por um quilo de carne de primeira, pagar 100 R$ por um quilo de feijão, pagar 30 R$ por uma penca de banana.
    Quando isso acontecer, esses dicursos fajutos de ecologia, preservação da natureza, vai mudar drasticamente.
    É isto que os produtores do norte de minas tem que fazer, unir forças, trocar idéias, e fazer uma greve geral.

    ResponderExcluir
  26. Outra coisa Sr. Newton Barbosa, não me identifico nestes comentários, pois sou uma pessoa muito influente, e não posso me dar esse luxo. Estou postando o que penso a respeito dessa lei fajuta, que proteje apenas os interesses da Europa, EUA, que já derrubaram tudo que tinham, e agora, ficam comprando esses políticos corruptos, falsos ecologistas, para ficarem fazendo discursos mentirosos. Vocês tem que pegar num cabo de enxada pra ver o que é trabalhar e se auto susntentar, sem depender de governo ou patrão.
    Vai pegar em um cabo de enxada para ver o quão sofrida é a vida do povo do campo, de quem sua a camisa para conseguir um futuro melhor !!!!!

    ResponderExcluir
  27. Meus caros amigos produtores rurais. O secretário de Meio Ambiente, José Carlos Carvalho, contratou a UFLA, Universidade Federal de Lavras para fazer o inventário florestal de Minas Gerais, hà 2 anos atrás. Neste inventário está a prova que precisamos para demonstrar que a região do Norte de Minas não é Mata Atlantica, e sim mata seca. Basta pegar os livros e esfregar na cara desse secretário corrupto e do governador. Porque eles estão cansados de saber que o norte de Minas não existe Mata Atlantica, e estão vendendo os créditos de carbono para a Europa e Japão, para investir nas obras do estado. São todos corruptos. Mas dentro em breve, conseguiremos as provas para incriminar esses dois políticos corruptos.

    ResponderExcluir
  28. Senhores, sinceramente creio que a discussão está descambando para ofensas pessoais, o que me sugere que qualquer chance razoável de negociação irá por água abaixo quando grupos diferentes ficarem na mesma sala para discutir o assunto. Imagino que todos, inclusive os ruralistas, concordem com o uso sustentável dos recursos naturais. Se não concordam, então realmente estão se condenando e a todos na Terra a um futuro nada promissor. Imaginando que concordem com esse conceito, devem saber que ele implica em racionalidade ambiental e justiça social.

    Se os ruralistas realmente acham que destruir 70% da mata seca é uso racional dos recursos naturais e que isso vai trazer maior equidade social (melhor distribuição de renda), devem provar isso com argumentos lógicos e dados cientificamente embasados. No grito, não dá.

    Os dados do censo agropecuário mostram que a distribuição de terras na meso-região norte de MG é super-latifundiária. 17% das fazendas grandes -latifúndios de > 100 ha- ocupam 84% da área total de fazendas, enquanto os pequenos produtores (fazendas com < 100 ha, que representam 83% das fazendas da região) ocupam apenas 16% da área. Assim, fica difícil acreditar que a agressiva campanha ruralista visa defender os pobres.

    Além disso, existem vários artigos científicos publicados em periódicos respeitados que indicam as matas secas do norte de MG como pertencentes ao domínio da Mata Atlântica, com base na distruibuição de espécies de árvores. Se forem esfregar o Inventário Florestal do IEF de 2006 na cara de alguém, certifiquem-se de abrir na página 22, no item (b) da seção "Sobre os domínios". Lá está escrito de forma clara: "Encraves florestais nos domínios do Cerrado e da Caatinga devem ser considerados como Floresta Atlântica. Além disso, a raridade destas formações disjuntas no interior de outros domínios confere-lhes alta relevância para a conservação da diversidade".

    ResponderExcluir
  29. Conheço a região norte de minas, igual a palma da minha mão meu senhor, e afirmo, que não existe este tipo de encrave florestal de mata atlantica não, só existe capoeira, mata seca, basta dar uma visitada no período seco do ano, as árvores todas sem folhas, com excessão das leguminosas.
    Mata atlantica perde as folhas no período seco do ano??????

    ai fica dificil.
    façam as leis justas, que todos terão prazer de cumprílas, mas leis fraudulentas, corruptas, não serão cumpridas. Isto é inconstitucional..
    Não existe lei no mundo, que proiba, o proprietário de trabalhar em seu próprio bem. Isso é uma falta de respeito.

    ResponderExcluir
  30. E TEM OUTRA COISA, SE ABRIMOS MÃO DOS NOSSOS DIREITOS,O QUE VAI ACONTECER É O SEGUINTE: NOSSAS PROPRIEDADES VÃO VIRAR RESERVA, DEPOIS QUANDO COMEÇAR FALTAR ALIMENTO NO BRASIL, VOCES ENTREGAM TUDO PARA OS SEM TERRA, DEPOIS QUE CONTINUAR FALTAR ALIMENTO NO BRASIL, OS SEM TERRA VENDEM PARA OS RURALISTAS !!!! QUE SÃO REALMENTE QUEM SUSTENTAM ESSE BRASIL. SE NÃO FOSSE O AGRONEGÓCIO MEUS CAROS AMBIENTALISTAS, O QUE SERIA DO BRASIL? ESTARIAMOS PASSANDO FOME E MISÉRIA !!!! ABRAM OS OLHOS. FAÇAM AS LEIS, HONESTAMENTE, SEM CORRUPÇÃO E DEMAGOGIA, QUE TODOS TEREMOS O PRAZER DE CUMPRI-LAS. ESTE É O MEU RECADO FINAL.

    ResponderExcluir
  31. Acredito na sustentabilidade.
    Sem radicalismo!!
    Na verdade essa região não é mata atlantica e sim mata seca, devemos a preservar como mata seca. Não é mudando o nome que o governo vai melhorar indices de desmatamento da mata atlantica.
    E necessário estudar a realidade local e desenvolver projetos de conservação e desenvolvimento.

    ResponderExcluir
  32. Eu não sou ambientalista, muito menos ruralista, sou um assentado, tenho uma propriedade de 50 hectares, produzo feijão, milho, abobora, melancia e verduras variadas, vendo no mercado local de minha cidade, mas agora acabo de receber uma multa no valor de 10 mil reais porque fiz uma derrubada de mais duas hectares para plantar, isto porque o IEF condenou toda a área do meu lote como Mata Atlantica, mas eu pensva que mata atlantica fosse no litoral mão no sertão. O que isto quer dizer, que não só os grandes proprietarios que pegam dinheiro na sudene para se enriquecer, ou mesmo para formar pastos estão sendo prejudicados com esta absurda lei. Sempre defendi o meio ambiente, a área que derrubei é exclusiva para plantação, numa área que recebi com muita luta pelo proprio governo federal, mas e agora o que será de nós? Não estou falando de lucros, nem de indenizações, nem de movimento, nem de política, estou falando o que será da sobrevivencia da minha familia e dos meus vizinhos, já não podemos mais plantar nas ilhas e agora nem em nossos lotes, de que vamos viver? Estamos sendo penalizados por gente que vive me cidade grande com todo conforto e se alimentando graças ao nosso trabalho, de onde eles acham que vem isso tudo, do céu? Se as terras estivessem todas nas mãos de pequenos e médios poderíamos garantir que o meio ambiente seria preservado, assim como a espécie humana também, pois precisamos comer para perpetuar a espécie. Esses ambientalistas estão sendo unilaterais.

    ResponderExcluir
  33. Pois é meu caro amigo assentado, o IEF, só multa os pequenos e médios produtores, os grandes, eles nem passam nas portas das fazendas, porque são comprados pelo dinheiro, bois, bezerros.
    O IEF, ao invés de preservar, criar reservas, nas serras, chapadões, encostas, recuperar e plantar áreas degradadas, criar parques na Serra Geral, ficam importunando os pequenos produtores, os assentados, aqueles que dependem da terra pra viver.
    Já trabalhei no IEF, e sei como funciona, os funcionários recebem propina, benefícios dos grandes latifundiários, e assim não tem vistoria, nem multas, as multas são retiradas.
    A lei é feita apenas para os pequenos e médios produtores, que são as pessoas que realmente dependem da terra pra sobreviver.
    Protejam as Serras, Morros, Chapadões, que a água não se extinguirá, é lá que estão as nascentes, os olhos dágua. É na Serra que a natureza, a biodiversidade tem que ser protegida em sua plenitude, totalidade.
    Nas baixadas, é onde tem que se produzir, plantar, criar etc. Deixando os 20 por cento que manda a lei.

    ResponderExcluir
  34. Anônimo,você é o cara;Tudo que você falou deve ser verdade.Tenho apenas um hectare onde era pasto e com o passar do tempo foi formando uma mata secundária pobre de vegetação (O SOLO É POBRE E TEM MUITA SAMAMBAIA).Comprei para formar uma chácara e procurei os órgãos(IBAMA,IDAF etc). para pedir uma licença para limpar 20 por cento.
    O agente do IDAF,além de negar-me a licença nem foi ao local verificar a viabilidade de conceder a licença.Por denúncia fui multado.Considerado um criminoso,assassino da floresta.Outros vizinhos derrubam árvores para serrar(madeira de lei),limpam a vegetação com trator de esteira,fazem lagos destruindo os brejos sem licença por livre arbítrio e fica por isso.O que fazer?

    ResponderExcluir
  35. Diante dos comentários acima, percebe-se o quão despreparadas estão nossas instituições.
    1)Sem entrar no mérito da questão de se é ou não mata atlântica.
    A questão principal é: Quem vive na região afetada? Como as pessoas vivem lá? Elas vão conseguir sozinhas sobreviver com uma mudança de tal magnitude normalmente? Por que uma arbitrariedade absolutista pode induzir exodo rural, pobreza, fortalecer o latifúndio(pois os menores produtores sempre são o elo mais fraco da corrente), além de incentivar práticas ilegais contra o meio ambiente. OK, é possível viver de modo 120% sustentável, maravilhoso. Mas isso só é conseguido com apoio, com consultoria, com educação, políticas públicas de incentivo...Isso ninguém vê aparecer da noite pro dia. Por isso argumento que não está sendo conduzido de forma inteligente esse processo.
    Até leis "benignas" no Brasil podem causar consequências desastrosas, falta uma visão mais ampla e responsável.
    As instituições impôem idéias e criam situações de derrotados e vitoriosos,discussões e populações inimigas!conflitos!Quando deveriam tentar beneficiar a todos, mesmo que por compensação.

    2)Entrando no mérito da questão de se é ou não mata atlântica.
    Opinião totalmente leiga: duvido que seja realmente mata atlântica.

    Talvez eu seja o mais ingênuo de todos aqui, mas acredito que o problema deveria ser resolvido de outra forma, e a solução apresentada não muda em nada, se não piora, o quadro já existente.

    ResponderExcluir